Impressão 3D na construção civil

Uso da impressão 3D na construção civil

Guia completo sobre aplicação de fibras de aço na construção civilPowered by Rock Convert

Você tem acompanhado o uso da impressão 3D na construção civil e as possibilidades que tal ferramenta viabiliza? Não é de hoje que as novas tecnologias estão transformando o setor, é claro, mas é inegável que muitas alternativas surgiram a partir desse advento, concorda?

Levando a relevância do tema em consideração, entrevistamos Joaquim Caracas, que é engenheiro civil e sócio-fundador da Impacto Protensão — empresa especializada na aplicação da técnica de protensão não aderente em estruturas e na melhoria da utilização de recursos em diferentes tipos de obra.

Ao longo do texto, você encontrará perspectivas futuras para as impressoras 3D nesse ramo e suas principais aplicações na atualidade. Aproveite o conteúdo!

O que é a impressão 3D e como ela funciona?

Em poucas palavras, podemos dizer que as impressoras 3D são aparelhos capazes de produzir objetos variados — dos mais simples até as partes complexas de um sistema estrutural qualquer. Cada vez mais utilizadas em diversos segmentos industriais, essa novidade adquiriu popularidade também na construção civil, visto que pode contribuir com a redução de custos e riscos de desenvolvimento de um projeto.

De acordo com o especialista, que entrou em contato com um dispositivo desse tipo há aproximadamente seis anos, existem inúmeras aplicações possíveis para a impressão 3D. Um dos usos mais comuns é na prototipagem para a produção de um novo produto plástico, que se tornou um substituto para a madeira em estruturas de concreto, deixando as obras mais leves.

Vale lembrar que os primórdios da impressão 3D ocorreram no final da década de 1980. Na época, a ideia era otimizar a prototipagem de produtos industriais. Nos anos 2000, a prática começou ganhar força e, desde então, vem sendo explorada em inúmeros setores.

Apesar do potencial imensurável, o funcionamento dessa tecnologia é simples — à primeira vista, pelo menos. Na prática, o desenvolvimento do objeto é iniciado em um computador. Por meio do suporte de softwares específicos, há como modelar à vontade e desenhar o que será criado.

Depois que o modelo tridimensional fica pronto, é possível definir as características da impressão, como as dimensões, a medida da espessura e assim por diante. Um grande número de detalhes colabora para a qualidade do objeto, mas tende a aumentar o tempo que ele leva para ficar pronto.

Como é o uso da impressão 3D na construção civil e quais são as vantagens envolvidas?

Segundo Joaquim, a grande vantagem trazida pela impressão 3D na construção civil é a possibilidade de fazer protótipos e contar com eles no dia a dia dos projetos. Afinal, muitas ideias precisam ser materializadas para serem verdadeiramente testadas. 

Graças à prototipagem, há como desenvolver uma primeira versão e aprimorá-la até chegar ao estágio desejado. Assim, evita-se fazer um investimento de recursos à toa, que podem ser desperdiçados por não se saber quais resultados ele poderá apresentar.

O engenheiro conta que, com os desdobramentos da tecnologia na construção civil, é viável imaginar, desenhar no papel, estruturar em software CAD, criar um modelo físico pela impressora 3D e, só depois disso, fazer os moldes para fabricação do produto final. Quando todos os ajustes e testes são feitos por meio dos protótipos da impressora 3D, diminuem-se os riscos e os investimentos necessários para desenvolver o molde para fabricação em escala do produto idealizado.

Trabalhar com um modelo é importante porque essas impressoras ainda não escalam. Uma peça pequena pode levar até três horas para ficar pronta, por exemplo. Em contrapartida, com uma injetora, é viável fazer mil peças a cada sessenta minutos. 

Antes, fazer uma cópia era algo bastante complicado — Joaquim menciona que essa nova oportunidade foi uma das principais contribuições trazidas pelo aparelho e que, atualmente, em sua empresa, há um departamento cuja atribuição é pensar em protótipos e afins. 

Ou seja, ao menos por enquanto, a modelagem é o uso mais recorrente das impressoras 3D na construção civil. O objetivo é criar uma peça de plástico, testá-la no canteiro e, caso dê certo e sirva para o objetivo proposto, basta fabricar determinada peça em escala, usando uma máquina adequada para essa finalidade.

Fora do Brasil, impressoras maiores já estão sendo usadas para construir grandes edificações, como casas e prédios. Em 2018, conforme noticiado pelo portal Awebic, Dubai construiu o primeiro edifício de escritórios do mundo feito por meio da impressão 3D — ele tem mais de duzentos e cinquenta metros quadrados e foi executado em menos de vinte dias.

Sua estruturação foi feita com uma mistura de gesso, fibra de plástico e concreto, por meio de um aparelho com seis metros de altura. Há uma estimativa de que, se o mesmo projeto tivesse sido construído por formas convencionais, o custo seria até duas vezes maior.

O que esperar para o futuro da impressão 3D na construção civil?

Além da chance de poder fazer prédios inteiros com uma impressora 3D, é bem provável que os próximos anos sejam marcados pelo amplo aproveitamento desse dispositivo — isso porque o investimento para contar com um desses deve diminuir gradativamente. De acordo com o Joaquim, em três anos o preço pago para contar com a ferramenta caiu em quarenta por cento.

Com uma simples mudança no cabeçote, ela pode cortar ferro e construir protótipos a partir de um simples pedaço de madeira, ou seja, são possíveis muitos formatos e peças bem detalhadas que não poderiam ser construídos de outras maneiras. A tendência é que, com o acesso e o uso crescentes das impressoras tridimensionais, seja possível superar diferentes limites da construção civil.

A sustentabilidade é outro fator que contribuirá com a difusão da tecnologia. Afinal, os protótipos da impressora 3D resultam em produtos que têm o poder economizar tempo e outros recursos — materiais e humanos —, implicando em obras com menor impacto ambiental.

O sócio-fundador da Impacto Protensão acredita que os equipamentos já simbolizam um ótimo custo-benefício, que deveria ser adotado por várias indústrias o quanto antes, para que elas consigam expandir seus horizontes.

A sua expectativa é que, em menos de uma década, as impressoras grandes fiquem mais acessíveis e possam ser usadas para fazer paredes, entre outros componentes fundamentais de uma construção, agregando diretamente ao produto final.

A impressão 3D na construção civil vem conquistando bastante espaço, e são grandes as chances de que isso aumente muito em um futuro próximo. Portanto, considere aproveitá-la em seus projetos.

Se você gostou do texto, aproveite para entender como as construtechs estão revolucionando o mercado da construção civil!

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.