5 tecnologias que estão mudando as atividades no campo

  • Home
  • Agro
  • 5 tecnologias que estão mudando as atividades no campo
tecnologias no campo

A agricultura é uma das atividades mais antigas desenvolvidas pelo homem e está diretamente ligada à formação e à evolução das primeiras civilizações. Nas últimas décadas, uma série de tecnologias digitais de ponta invadiu o campo e complementou os avanços alcançados com as Revoluções Agrícolas.

A chamada Pecuária 4.0 amplia as fronteiras da produtividade, criando ferramentas e soluções que otimizam os processos em todos os setores agropecuários. As novas práticas passaram a substituir antigos — e ineficientes — métodos de explorar a terra e vêm para cumprir duas importantes missões: facilitar a vida do produtor e intensificar os ciclos produtivos.

Mas você sabe quais são as tecnologias no campo mais modernas e mais utilizadas nos últimos tempos? Sabe como elas podem fazer a diferença para o seu negócio? Continue a leitura e descubra!

A importância das tecnologias no campo

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que em 2050 seremos 10 bilhões de habitantes no mundo. Somado ao crescimento populacional, existem dois fatores alarmantes para o setor agropecuário. Um deles se refere às mudanças climáticas globais, que exigem alternativas urgentes nos sistemas de exploração da terra para minimizar os impactos ambientais causados pelas atividades do campo.

O outro fator, também muito importante, é a expansão da fronteira agrícola que, hoje, já é bastante restrita. Países como a China e EUA, por exemplo, não dispõem mais de terras exploráveis para o campo.

Cerca de 90% das áreas disponíveis para aproveitamento agrícola se concentram na América Latina. O Brasil, grande produtor mundial de alimentos, ainda apresenta uma boa margem para a expansão das atividades agropecuárias, contudo, a crescente preocupação ambiental tem buscado preservar as florestas nativas e, por isso, o controle dessa expansão tem sido maior.

Para o produtor que adota as tecnologias no campo — o chamado profissional agrodigital — tal cenário não é um problema. Isso porque as práticas tecnológicas possibilitam produzir mais e melhor, em menos tempo e em menor unidade de área, aumentando a produtividade.

O produtor que conduz o seu negócio seguindo práticas sustentáveis — que preservam o solo e fazem bom uso dos recursos naturais — adequa seus produtos para entrar ou se manter no mercado, que é cada vez mais exigente. Além disso, ele também garante a continuidade da própria atividade, uma vez que não há o completo desgaste da sua terra.

No mais, o investimento em tecnologias promove uma redução nos custos de produção, em função do uso preciso dos insumos e da velocidade com que o gestor consegue identificar problemas e tomar decisões mais acertadas.

Os benefícios da tecnologia no campo

Como você pôde perceber com a leitura até aqui, o uso de tecnologias no campo proporciona inúmeros benefícios para o produtor. Entre eles, podemos destacar os seguintes:

  • otimiza a utilização de insumos, reduzindo o desperdício;
  • aumenta a eficiência dos processos;
  • aumenta a produtividade;
  • reduz os custos de produção;
  • melhora a qualidade das operações;
  • produz de forma mais sustentável;
  • possibilita a coleta de um maior volume de dados;
  • promove uma melhor interpretação dos dados coletados;
  • otimiza a tomada de decisões;
  • aumenta a rentabilidade e a lucratividade.

As tecnologias para uso no campo

Afinal, quais são as tecnologias que têm sido amplamente utilizadas no campo? Separamos algumas indicações para você! Acompanhe.

1. Drones

Os VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados), popularmente conhecidos como drones, já são uma realidade nas fazendas brasileiras. Diversos modelos do equipamento atendem as mais variadas realidades e necessidades dos produtores. Hoje, inclusive, há drones com valores superacessíveis no mercado.

Com essa tecnologia, o produtor pode monitorar a sua propriedade e seu rebanho de perto, verificar as condições de suas cercas, encontrar animais desgarrados, analisar áreas que precisam de atenção (tanto quanto à fertilidade do solo como à segurança), captar imagens da fazenda, observar a situação das forrageiras etc. Alguns produtores já estão até mesmo tocando suas boiadas com os drones!

2. Aplicativos

O uso de dispositivos móveis avança a passos largos no campo. Hoje, já é praticamente impossível encontrar alguém que não tenha um smartphone, não é mesmo? Além dos celulares, os tablets também têm caído nas graças dos pecuaristas.

Mas o uso desses equipamentos por si só não é o que faz a diferença. São os softwares e os aplicativos desenvolvidos especialmente para a vida no campo que agilizam e facilitam a administração da fazenda.

O aplicativo da Belgo Agro, por exemplo, permite que o produtor meça toda a sua propriedade e obtenha o custo da instalação de cercas, com apenas alguns cliques. O app indica, ainda, a quantidade dos materiais necessários para construir a metragem total do aramado.

Com essas e outras informações que o aplicativo disponibiliza, você tem uma visão mais clara de tudo o que precisa. Dessa forma, pode tomar as melhores decisões sobre a compra de insumos e contratação de mão de obra.

3. Internet das Coisas – IoT

Toda essa tecnologia em equipamentos, dispositivos e aplicativos é permeada com um elemento-chave: a conectividade. A internet gera uma rede de informações úteis para o produtor, que consegue integrá-las e analisá-las em tempo real.

Dados como situação do solo e das pastagens, localização geográfica, previsões meteorológicas, atividade das máquinas agrícolas etc. são controlados na palma da mão do produtor, que também consegue agir estrategicamente com mais rapidez.

4. Cocho móvel

Uma startup brasileira desenvolveu o cocho móvel. A tecnologia é tão simples que você é capaz de se perguntar como ninguém havia pensado nisso antes. Trata-se de um equipamento móvel que tem capacidade própria de armazenamento de grãos. Com isso, ele elimina as perdas de insumo, otimiza o frete e a mão de obra, além de impulsionar o ganho de peso do gado.

Nele, a ração fica armazenada em um compartimento separado, protegido do ambiente externo, evitando a deterioração do alimento pelo contato com o ar ou com a saliva dos animais. O abastecimento é automático e os grãos são disponibilizados conforme a demanda.

A mobilidade do choco permite que os animais permaneçam em pontos diferentes na fazenda, o que evita a compactação do solo e a formação de lamaçais.

5. Máquina para recolher feno

Outra criação brasileira é o equipamento para recolher feno. Um produtor no interior de São Paulo encontrou uma alternativa viável para acelerar e facilitar o recolhimento do feno, depois de ter identificado essa tarefa como um dos gargalos da sua produção.

Na maioria das fazendas nacionais, os funcionários espetam o feno com garfo forca e os arremessam para cima do caminhão. A máquina desenvolvida por ele recolhe os fardos na metade do tempo, e o melhor: é acessível para pequenos e médios produtores que não têm condições de investir nos equipamentos disponíveis no mercado.

A necessidade faz a oportunidade, e essa máxima vale também para o agronegócio. O uso de tecnologias no campo soluciona problemas de diversas ordens e escalas, otimiza as tarefas diárias, aumenta a sua produtividade e melhora o uso da terra e dos recursos naturais. O melhor de tudo é que as novidades estão disponíveis com preços mais acessíveis — ou seja, quem não se atualiza, fica para trás.

Quer se manter sempre à frente no mercado, conhecendo as tendências para o agronegócio? Assine nossa newsletter e receba, em primeira mão, mais conteúdos informativos como este!

Deixe um comentário